Total de visualizações de página

segunda-feira, 17 de junho de 2013

15 de Junho de 2013 - CHRIS CORNELL NO VIVORIO

Sou um grande fã de Chris Cornell, a ponto de considerá-lo como um dos último grandes vocalistas do Rock. Depois dele, o único cantor que me impressiona é o excelente Jay Buchanan, vocalista da Rival Sons. E mesmo sendo um grande admirador, nunca havia presenciado sua perfomance ao vivo.
Assim, não quis perder a chance de conferir o show do Chris Cornell que rolou nesse sábado no Vivo Rio; uma apresentação acústica, baseada no álbum "Songbook", lançado em 2011. Mesmo com os preço caríssimo dos ingressos, que inclusive geraram reclamação dos fãs, não desisti da idéia, e comprei para o setor mais barato (ou melhor, menos caro).
Um bom público compareceu e se deliciou por mais de duas horas e meia com a voz potente do vocalista do Soundgarden e ex-Audioslave, que se apresentou sozinho, contando apenas com seu violão. Totalmente intimista, cenário simples, luz sóbria, enfim: nenhum artifício, apenas o artista, sua música e seu talento.
Pontualmente às 21 30h, Cornell surge para delírio da platéia que o esperava em suas mesas e sentados em assentos marcados. Para desespero dos seguranças, logo na entrada, Chris Cornell pediu para que os fãs para se juntassem a ele próximo ao palco. O convite foi prontamente atendido, e eu fui um dos centenas que saíram lá de trás para ficar junto ao palco. Devido as muitas reclamações das pessoas que estavam nos lugares mais caros e que perderam o conforto e até a visão livre, os funcionários tentavam sem sucesso atrair os fãs de volta a seus lugares, o que causou um certo transtorno e alguns princípios de confusão, e atrapalhou quem tentava se concentrar no show.
Sem ter idéia do rebuliço que causou, Cornell abriu a apresentação com duas músicas do projeto Temple of the Dog, criado nos anos 90, formado com músicos do Pearl Jam e Soundgarden, em homenagem a Andrew Wood, amigo que morreu por problemas com drogas: “All Night Thing” e “Say Hello 2 Heaven”. Depois vieram “Wide Awake”, presente no álbum “Revelations” do Audioslave, de 2006, e o cover de Brinsley Schwarz, “Peace, Love and Understanding”, esta dedicada as vítimas do furacão Katrina.
O público no início estava tímido, até o momentos que algumas pessoas começaram a tentar se comunicar com o cantor e a pedir músicas. Chris bastante simpático contou que gostaria que ele fosse como personagem de John Travolta no filme "O Fenômeno", que por causa de um tumor no cérebro se torna hiper inteligente e consegue aprender português em 20 minutos.
A primeira grande emoção veio em “Outshined”, do disco de 1991 do Soundgarden, "Badmotorfinger", onde aconteceu o primeiro grande coro. Pra mim essa música é especial pois foi com ela que me tornei fã do Soundgarden, ao assistir pela primeira vez ao clipe na MTV; fiquei chapado com o som, com o Riff, com a a banda e principalmente o vocalista.
Cornell ia mudando a afinação das cordas do seu violão e ia seguindo em frente, e o coro foi mais forte ainda em “Hunger Strike”, o maior sucesso do Temple of the Dog, onde a galera cantou bonito o refrão fazendo Chris abrir um largo sorriso.
Audioslave é pra mim a banda mais importante das surgidas no século XXI, nunca tive a oportunidade de estar em show deles, mas fui compensado com uma versão fodástica de “I Am the Highway”, mais uma que foi acompanhada o tempo todo pelo coro forte da plateia.
Em "When I'm Down", Cornell coloca um vinil pra tocar e explica que vai usar a gravação de piano original pra cantar a belíssima faixa de seu álbum solo de estréia.
O setlist previsto foi bastante modificado durante a aparesentação, mas a cover mais esperada da noite não deixou de ser tocada: "A Day in the Life”, dos Beatles. Em seguida Chris deixou o palco e voltou minutos depois para o Bis, que contou com mais 10 canções, começando com “Scream”, de seu álbum homônimo lançado em 2009, “Seasons” e “Wooden Jesus” (esta última do Temple Of The Dog).
Foi nessa parte que vieram as mais esperadas por todos: “Be Yourself”, “Black Hole Sun” e “Like a Stone”, essa última cantada integralmente por um fã que pediu pra cantar, e foi puxado para o palco por Cornell que lhe entregou o microfone e ficou apenas tocando o violão. O público tomou um susto, mas não reclamou com o ato generoso do artista, e o garoto até que se saiu bem, conseguindo manter a afinação e o tom numa música que não é a das mais fáceis pra cantas.
Pra encerrar Chris mandou um cover de Bee Gees, “To Love Somebody”, e a faixa do Soundgarden “Blow Up the Outside World”.
Saí de lá impressionado com a voz de Chris Cornell que pode ser doce ou rascante em variações de segundos. Fora a afinação perfeita, o cara canta com uma entrega e uma emoção difíceis de descrever. E o que mais me deixou impressionado foi ser testemunha de que ele não amarela nas partes das notas mais altas, e não faz como a maioria dos cantores que baixam os tons ou diminuem a intensidade do canto quando estão em momentos acústicos ou intimistas. Pelo contrário, Chris Cornell se expõe, enfrenta o trapézio sem rede de segurança, encara o público de peito aberto e termina a história como um cavalheiro solitário que foi a guerra mas voltou vencedor e ovacionado.
SETLIST:
1- All Night Thing (Temple of the Dog)
2- Say Hello 2 Heaven (Temple of the Dog)
3- Wide Awake (Audioslave)
4- (What's So Funny 'bout) Peace, Love and Understanding (Cover do Brinsley Schwarz)
5- Sunshower
6- Call Me a Dog (Temple of the Dog)
7- Dandelion (Audioslave)
8- Outshined (Soundgarden)
9- Hunger Strike (Temple of the Dog)
10- The Keeper
11- I Am the Highway (Audioslave)
12- Scar On The Sky
13- When I'm Down
14- Can't Change Me
15- Fell on Black Days (Soundgarden)
16- Sweet Euphoria
17- Doesn't Remind Me (Audioslave)
18- A Day in the Life (Cover dos Beatles)

BIS:
19- Scream
20- Seasons
21- Wooden Jesus (Temple of the Dog)
22- Be Yourself (Audioslave)
23- You Know My Name
24- Black Hole Sun (Soundgarden)
25- Like a Stone (Audioslave)
26- Cleaning My Gun
27- To Love Somebody (Cover do Bee Gees)
28- Blow Up the Outside World (Soundgarden)

2 comentários:

  1. Jeff Buckley e Thom Yorke também são cantores pra se ficar impressionado...
    No mais, o Cornell é um dos meus cantores favoritos...

    ResponderExcluir
  2. Assistam o video (Like a stone - Vivo Rio)! http://www.youtube.com/watch?v=uMWXdxwtd-E

    ResponderExcluir