Total de visualizações de página

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

FESTA TOTAL!!! ANIVERSÁRIO DO BLOG - 4 ANOS DE ROCK AND ROLL & FELIZ 2013!!!

Putz... que pai desnaturado eu sou! Como pude esquecer o aniversário do meu único filho?
Dia 16 de Dezembro o Blog RocknRoll4Ever completou 4 anos de existência. Normalmente faço sempre um post lembrando a data, mas esse mês foi tão corrido, que só fui lembrar hoje, no último dia do ano.
Como muita gente sabe, o Blog nasceu em dezembro de 2008, e eu não imaginava que fosse durar muito tempo, até porque ele foi criado inicialmente pra tentar esquecer a tristeza, uma espécie de terapia. Graças a Deus, o tempo passa, e o Blog tornou-se um divertido passatempo. Aqui declaro meu amor pela música e sobretudo pelo bom e velho Rock and Roll.
Esse ano completei a marca de 63 shows, 3 a menos que no ano passado, quando rolou Rock In Rio. Cada show que fui recebeu uma resenha.
Aqui no Blog em 2012 ainda teve a novidade de ter uma resenha assinada pela Mellissa Martins, a Mell que é a minha leitora mais assídua, a maior colaboradora, fotógrafa, crítica e incentivadora do RocknRoll4Ever. Ela escreveu um post sobre o show do Capital Inicial na Fundição Progresso.
Além disso, ela vem fazendo uma série de posts sobre livros com biografias de estrelas da música. A idéia era ser mensal, mas ela andou vacilando, e desde março escreveu apenas sobre 5: Eric Clapton, Ozzy Osbourne, Keith Richards, Paul McCartney e Lobão. Espero que em 2013 ela cumpra corretamente seu contrato sem deixar furos.
Por falar em furos, eu mesmo deixei os meus (sem contar o esquecimento do aniversário...): a aclamada série mensal "GATAS, FAMOSAS, E COM SUAS CAMISAS DE BANDAS DE ROCK" só recebeu 9 edições em 2012. Um dos motivos foi que o Blog passou por problemas técnicos em novembro, e eu não conseguia publicar fotos nas postagens. Promessa de fim de ano: não vacilar com os posts das Gatas de camisetas Rock and Roll.
Não posso deixar de comentar que em 2012 ganhei mais 2 colaboradores: Maysa C.V. que contou sua aventura em Recife e Florianópolis atrás do seu ídolo máximo Paul McCartney; e Hugo Freitas, amigo da época da escola que fez a resenha sobre a apresentação do Cavalera Conspiracy no Circo Voador.
Deixo meu agradecimento aos colaboradores de sempre Gabriela Harrison e ao Lula Zeppeliano pelas fotos sensacionais; e aos enViados especiais Paulo Ricardo e Daniel Demétrio.
Agradeço também a você que lê o Blog, que deixa seus comentários, que divulga, que curte, que compartilha, que elogia, que critica, e que sempre que pode dá uma passadinha por aqui.
Fico muito feliz com as mais de 700 mil visitas que o RocknRoll4Ever já recebeu.
Pra quem gosta de viajar, o Blog teve novamente seu momento "Guia de Viagem", já que escrevi o diário da minha segunda passagem pela Europa (dessa vez: França, Itália, Holanda e Bélgica). Tomara que ano que vem tenha mais...

ENTÃO SÓ ME RESTA DESEJAR QUE 2013 SEJA UM ANO DE MUITO ROCK AND ROLL.
DE CORAÇÃO, ESPERO QUE O MELHOR DIA DE 2012 SEJA O PIORZINHO DE 2013.
FELICIADADE, SAÚDE, PAZ, AMOR, PROSPERIDADE E MUITA FESTA PRA TODOS NÓS!!!

domingo, 30 de dezembro de 2012

STEVIE WONDER E GILBERTO GIL NA PRAIA DE COPACABANA - E Eu Vendo no Sofá da Sala...

Primeiro fiquei assustado com o preço do ingresso do show no Imperator - R$800,00 a inteira, fora a taxa de inconveniência. Fiquei pensando se valia a pena... Pô, mas é beneficente, né? Pra ajudar a Fundação Viva Cazuza. Então resolvi comprar. Mas no tempo que usei pra pensar, os ingressos se esgotaram.
Ah! Mas o de Copacabana eu não perco de jeito nenhum... Afinal alguns amigos confirmaram presença, meu irmão disse que também iria, e tinha certeza que a Mell também estava amarradona pra ir.
Mas depois da ceia de Natal, quando acordei a realidade era outra. A Mell já foi avisando que em nenhum momento tinha dito que iria; meus amigos deram as mais diferente desculpas; e meu irmão alegou estar passando mal.
"Então não quero nem saber. Vou sozinho nessa M...!". Mas fui pensando nos perrengues que ia ter que encarar sem nenhuma companhia: o trajeto de ônibus ida e volta JPAxCopa; as horas de espera; o calor; o possível tumulto; e o bico da patroa no dia seguinte.
Com tudo isso, desisti de ir, e passei o dia emburrado igual criança que acordou no Natal e ganhou o presente errado do Papai Noel. Meu mau humor era latente e fui ficando mais azedo com o final do dia.
O jeito foi ligar no Multishow pra ver Gilberto Gil e Stevie Wonder pela televisão, já que o canal prometia transmissão ao vivo.
A transmissão da apresentação de Gilberto Gil não foi ao vivo, e começou às 21h, ou seja, com uma hora de atraso. Mas foi exibida na íntegra. E justiça seja feita, o som estava porreta: muito bem regulado, perfeito.
Gil é um dos mestres da MPB, e possui larga experiência em grandes shows, desde sua participação na primeira edição do Rock In Rio. Montou um setlist só com músicas dançantes, usando o que de mais Pop há em sua carreira.
Abriu o show com "Realce", já colocando todo mundo pra dançar. Aí foi enfileirando hits: "A Novidade (sua  parceria com os Paralamas), "Não chore mais" (sua versão para "No Woman, No Cry" de Bob Marley), "Domingo no Parque", "Aquele Abraço", " Esperando na Janela", "Vamos Fugir", e "Nos Barracos da Cidade".
O baiano aproveitou para prestar suas homenagens. O primeiro foi Bob Marley em "Is this love". Depois foi a vez da praia onde o palco foi montado, quando Gilberto Gil apresentou uma versão Reggae para o clássico da Bossa Nova "Copacabana" (de Alberto Ribeiro, Braguinha e Jack Lawrence).
Dona Canô, mãe de Caetano Veloso e Maria Bethânia, que morreu na manhã de Natal, aos 105 anos, também foi lembrada. Pra ela, cantou "Marinheiro Só".de Dorival Caymmi.
"Preta Pretinha", clássico dos Novos Baianos serviu pra chamar ao palco a filha Preta Gil, que foi responsável pelo "momento a ser esquecido" da noite: ela cantou com o pai a tenebrosa "Meu corpo quer você".
O destaque da apresentação foi o baixista Arthur Maia, verdadeiro monstro, que na introdução de "Palco" fez um belíssimo solo.
Gil foi obrigado a voltar, devido ao insistente coro da platéia. E no o Bis mandou "Toda Menina Baiana", que encerrou o showzaço.
Gilberto Gil é um dos gênios da música mundial. Mas ele mesmo se rende ao talento magistral de Stevie Wonder, e se coloca no papel de coadjuvante. E não tem nada daquela história de brasileiro com complexo de inferioridade que se subjulga aos gringos. Independente de nacionalidade, Gil sabe que Wonder transpira música por todos os poros, e que ao lado de Paul McCartney, é o maior artista vivo. Como meu irmão definiu bem: "Stevie Wonder é uma das provas da existência de Deus. Porque só mesmo Ele poderia ser capaz de criar uma criatura dessa, com esse dom tão especial".
Assim, Gil sabe do tamanho do privilégio de poder fazer essa parceria musical e de poder usufruir da amizade com um dos maiores pilares da música negra.
Acho que dessa vez Gilberto Gil deve ter feito de tudo para conter o entusiasmo para não repetir o gesto feito em 1995, no FreeJazz, quando dividiram o palco pela primeira vez, e o brasileiro durante a apresentação se ajoelhou em condolência ao americano e em agradecimento aos céus pela honraria. Na época boa parte da Imprensa condenou a atitude de Gil, alegando que um artista com sua representatividade e importância não podia se sujeitar a uma humilhação dessas.
Pura bobagem! Todo mundo possui seus ídolos, e tem o direito sagrado de prestar tributos a eles. Isso inclusive é uma forma de expressar a gratidão pela inspiração que essas figuras proporcionam a seus fãs.
Com cerca de 20 minutos de atraso, Stevie Wonder entra no palco ao lado dos dois filhos mais novos, que vestiam gorro de Papai Noel, e da primogênita Aisha. "Tudo bem? Quero dar um feliz Natal para todos vocês e agradecer pelo convite. É a primeira vez que passo o Natal no Brasil e está sendo maravilhoso", disse o astro, que ainda pediu para o público dar um feliz Natal para seu filho Miles, que ficou nos Estados Unidos.
Wonder abriu sua apresentação com "What a Wonderful World This Would Be", clássico de Sam Cooke. A canção acabou tendo uma longa duração, porque Stevie Wonder a usou para tentar interagir com a cerca de 450 mil pessoas que o aguardavam. Talvez por ser cego, ele precise buscar esse contato com o público, já que essa é a forma que o músico tem para fazer essa ponte entre o palco e a platéia. Esse tom participativo que ele buscou desde o primeiro número, regendo vozes, pedindo palmas, acabou sendo interpretada por muitos como enrolação.
Foi questão de tempo para Stevie colocar todo mundo no bolso, exibindo sua coleção de hits, e transformando a praia de Copacabana numa enorme pista de dança. Wonder também lembrou dois mestres da música: Michael Jackson em "The Way You Make Me Feel", e Bob Marley em "Waiting In Vain".
Depois das belíssimas baladas "The Secret Life of Plants" e "Ribbon In The Sky" que provocaram lágrimas aos mais sensíveis, Wonder tocou "Garota de Ipanema" para novamente empolgar os cariocas, com seu solo magistral de harmônica.
Gilberto Gil foi chamado ao palco por Wonder, que logo de cara puxou um trecho de "Você Abusou" de Antonio Carlos & Jocafi. Juntos cantaram "I Just Called To Say I Love You", com direito a versão em português, com o refrão entoado por centenas de milhares de vozes. A dupla cantou o clássico jobiniano "Samba de Uma Nota Só", afinal o cenário do show era perfieto para se tocar Bossa Nova.
Na sequência Stevie puxou a linda e suingada "You Are the Sunshine of My Life", e um trechinho de "We Are The World",
Aproveitando a data, Gil e Wonder interpretaram "Silent Night"/ "Noite Feliz". Depois o brasileiro cantou a composição natalina "Boas Festas" de Assis Valente, com direito a versão em inglês.
Stevie Wonder mostrou ser um verdadeiro fenômeno, com sua voz impecável, e com alcance inimaginável para uma pessoa com seus 62 anos de idade. Tanto no piano, quanto nos teclados e na harmônica exibiu habilidade e técnica perfeita. E ainda tirou onda em um instrumento que eu nunca tinha visto; uma espécie de tela em que ele desliza os dedos, fazendo acordes e realizando solos, tirando um som semelhante a uma guitarra distorcida.
Sem nenhum medo e pudor, ele improvisava, criando novas melodias e mudando o andamento das canções. Sua banda formada só por feras, seguia o chefe e entrava na onda automaticamente, como se os músicos  fossem guiados telepaticamente.
No final do show, Stevie mais uma vez brincou com o público: "Eu sei que vocês querem ir embora, mas nós vamos fazer festa até 2069, está bem?". Com o filho mais velho na bateria eletrônica e o caçula na percussão, Wonder tocou um dos seus maiores clássicos: "Superstition".
Ele se despediu dizendo que pretende voltar ao Rio em 2013. Sua intenção é fazer um show beneficente para arrecadar brinquedos para as crianças no Natal similar o que ele já faz anualmente nos Estados Unidos há 17 anos. Acho que vou pedir  de presente ao Papai Noel que ele garanta que Stevie Wonder cumpra essa sua promessa...
SETLIST - GILBERTO GIL:
1- Realce
2- A Novidade
3- Não Chore Mais (No Woman No Cry)
4- Is This Love
5- Copacabana
6- Domingo no Parque
7- Aquele Abraço
8- Marinheiro Só
9- Andar Com Fé
10- Preta Pretinha
11- Meu Corpo Quer Você (com Preta Gil)
12- Esperando na Janela
13- Palco
14- Vamos Fugir
15- Nos Barracos da Cidade

Bis:
16-Toda Menina Baiana


SETLIST - STEVIE WONDER:
1- What a Wonderful World This Would Be
2- Bird of Beauty
3- Master Blaster (Jammin')
4- Higher Ground
5- The Way You Make Me Feel
6- Waiting in Vain
7- Mary christmas Baby
8- The Christmas Song
9- Don't You Worry 'bout a Thing
10- The Secret Life of Plants
11- Ribbon In The Sky
12- Garota de Ipanema
13-  Sir Duke
14- If You Really Love Me
15- Never Dreamed You'd Leave in Summer
16- Signed, Sealed, Delivered
17- Você Abusou (trecho) (com Gilberto Gil)
18- I Just called To Say I Love You (com Gilberto Gil)
19- Samba de uma nota só (com Gilberto Gil)
20- You Are the Sunshine of My Life
21- We Are The World (trecho)
22- Silent Night/ Noite Feliz (com Gilberto Gil)
23-  Boas Festas (com Gilberto Gil)
24- My Cherie Amour
25- Sweetest Somebody I Know
26- Superstition
27- This Christmas
28- Another Star


ZAKK WYLDE E ANDREAS KISSER FAZEM JAM NO ALTAS HORAS

Durante sua passagem pelo Brasil em novembro desse ano, o guitarrista Zakk Wylde fez uma participação no Altas Horas, um dos poucos programas da Globo que presta.
O ex-guitarrista de Ozzy Osbourne estava em turnê pelo país com a banda Black Label Society, e pela primeira vez tocou com o guitarrista do Sepultura, Andreas Kisser. "Eu conheci o Zakk quando ele tocava com o Ozzy Osbourne em 1991/1992. Estivemos no mesmo palco, mas hoje é a primeira oportunidade de tocarmos juntos", comentou Kisser.
O programa foi gravado no dia 22 de novembro, e jJuntos executaram o Blues "Red House", um clássico de Jimi Hendrix, referência pra todo guitarrista que se preza.
Serginho Groisman sugeriu que Kisser entrevistasse o guitarrista, que disse adorar o país. Durante o papo, Wylde falou sobre os boatos sobre a reunião do Pantera com ele no lugar de Dimebag Darrell, esclarecendo que seria uma honra, mas que o convite nunca foi feito.
Andreas lembrou de seu primeiro encontro com Zakk: "Você foi muito gentil na época, colocando à disposição todas as suas guitarras, pedais, seu equipamento. Mostrou para a gente e disse: usem o que quiserem". "Além de prostitutas e drogas", devolveu um bem humorado Wylde, arrancando risos da platéia. Kisser riu da brincadeira, mas, em inglês, chamou a atenção do colega, lembrando que sua mulher, Patrícia Kisser, estava no estúdio. Os dois, então, acenaram para ela.
O encontro de Zakk Wylde e Andreas Kisser foi ao ar ao ar no Altas Horas na madrugada de 8 de dezembro, por volta das duas da manhã, na TV Globo. Eu tive a sorte de assistir, pois cheguei em casa bem na hora. Se você perdeu, o RocknRoll4Ever está aqui pra te ajudar, confira:

22 de DEZEMBRO DE 2012 - PARALAMAS DO SUCESSO, BARÃO VERMELHO & CAPITAL INICIAL No Teatro Popular de Niterói (RJ)





















Saí de lá com um troféu: uma das baquetas lançada por João Barone. Devo esse prêmio ao arrojo do meu irmão Ricardo que quase caiu na porrada pra garantir essa lembrança mais do que especial. Já perdi a conta dos shows dos Paralamas que assisti ao longo de todos esses anos,e nunca tinha conseguido. O mais perto que tinha chegado foi quando minha irmã levou uma na cabeça uma baquetada arremessada por Barone.
SETLIST - PARALAMAS DO SUCESSO:
1- Sem Mais Adeus
2- Dos Margaritas
3- Óculos
4- Ela Disse Adeus
5- O Beco
6- Cuide Bem do Seu Amor
7- Tendo A lua
8- Bora-Bora
9- Perplexo
10- Melô do Marinheiro
11- Você / Gostava Tanto de VocÊ
12- A Lhe Esperar
13- O Calibre (Intro incidental: "Voodoo Child" - Jimi Hendrix)
14- Meu Erro
15- Lanterna dos Afogados
16- Caleidoscópio
17- Uns Dias
18- La Bella Luna
19- A Novidade
20- Loirinha Bombril
21- Alagados (Incidental "Sociedade Alternativa" - Raul Seixas)
22- Uma Brasileira

Bis:
23- Sonífera Ilha
24- Ska
25- Vital e Sua Moto
SETLIST - BARÃO VERMELHO:
1- Por Que A gente é Assim?
2- Ponto Fraco
3- Pense e Dance
4- Cuidado
5- Billy Negão
6- Meus Bons Amigos
7- Tão Longe de Tudo
8- Por Você
9- O Poeta Está Vivo
10- Sorte e Azar
11- Pedra, Flor e Espinho
12- Bete Balanço
13- Puro êxtase
14- Quando o Sol Bater na Janela do Seu Quarto
15- Malandragem Dá Um Tempo
16- Declare Guerra
17- Maior Abandonado
18- Pro Dia Nascer feliz

SETLIST - CAPITAL INICIAL:
1- O Bem, O Mal e o Indiferente
2- Depois da Meia Noite
3- À Sua Maneira
4-  Fátima
5- Como se Sente
6- Apocalipse Agora
7- Eu vou estar
8- O Lado Escuro da Lua
9- Should I Stay or Should I Go
10- Música Urbana
11- Natasha
12- Veraneio Vascaína
13- Mulher de Fases
14- Quatro Vezes Você
15- Independência

Bis:
16- Bohemian Rhapsody
17- Fogo
18- Que País é Este
19- Whole Lotta Love

Bis 2 :
20- We Will Rock You
21- Primeiros Erros

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

ENTÃO É NATAL...

Então é Natal...
Minha data favorita no ano. A festa mais bacana de todas. É quando volto a ser criança, que ainda acredita que o Mundo e principalmente as pessoas ainda podem ser melhores.
Depois de décadas de vida, e alguns anos de terapia, aprendi a não exigir a perfeição em relação a mim e principalmente às outras pessoas. Até porque estou muito longe de ser perfeito, tenho milhões de defeitos, mas tenho certeza que sou uma pessoa do bem, mesmo com vários tropeços que cometo.
O duro é a decepção e  a tristeza de descobrir que existem pessoas próximas que fazem questão de fazer o mal, de forma gratuita. E por motivos fúteis, provocados simplesmente pela falta de caráter.
Desejo sinceramente, que a luz dessa data tão linda e o verdadeiro "Espírito do Natal" iluminem as almas e os corações dessas pessoas, e que finalmente elas consigam enxergar que agindo dessa forma, estão fazendo mal a si mesmas.
Adoro dar e ganhar presentes, e talvez isso explique meu fascínio pela figura do Papai Noel, que infelizmente assim como o próprio Natal tiveram o seu significado deturpado ao longo dos anos.
As pessoas no estresse das compras, ignoram o sentido da festa, e encaram tudo como uma obrigação de gastar dinheiro. O Comércio aproveita para faturar e a vida se transforma numa eterna propaganda da Coca-Cola.
Vale muito lembrar que a tradição de dar presentes no Natal é o simbolismo de imitar a Deus, que há exatos 2012 anos, nos deu o maior presente de todos, o seu filho Jesus.
Não pretendo catequisar ninguém, e muito menos convencê-los a aceitar as minhas crenças, peço somente que hoje cada um reflita um pouco em como poderemos nos tornar seres mais humanos. E também não deixem de agradecer, mesmo que você ache que nesse ano não existiram muitos motivos pra comemorar. Se prestar atenção, perceberá que só o fato de estar vivo já é mais do que suficiente para brindar.
Você ainda tem o privilégio de estar essa noite ao lado de alguém que você ama? Nossa! Então preencha seu coração de gratidão e comemore. Mesmo que nem todos que você queria possam estar junto em sua mesa. Mesmo que exista alguém que tenha que se ausentar pra sempre. Afinal, com certeza ela não vai querer ver você infeliz; ainda mais hoje.
É nesse clima de otimismo, de gratidão e celebração que desejo a todos os meus amigos e leitores tudo do melhor: PAZ, SAÚDE, AMOR, PROSPERIDADE, UNIÃO, RESPEITO, CARINHO, AMIZADE, FESTA, E MUITO ROCK AND ROLL SEMPRE!!!

12.12.12 - ROCK AND ROLL E SOLIDARIEDADE

Ok..Estou atrasado. Mas a desculpa é boa. Na verdade são várias: a correria do final de ano, a falta de tempo, e principalmente os problemas técnicos que venho enfretando com o Blog, que parecem que finalmente acabaram.
Como todos já sabem, aconteceu há exatos doze dias, o "12.12.12: The Concert for Sandy Relief", um evento beneficente para ajudar as vítimas do furacão e tempestade Sandy. Se apresentaram no Madison Square Garden, em Nova York: Bon Jovi, Eric Clapton, Dave Grohl, Krist Novoselic, Pat Smear, Billy Joel, Alicia Keys, Chris Martin, The Rolling Stones, Bruce Springsteen and the E Street Band, Eddie Vedder, Roger Waters, Kanye West, The Who e Paul McCartney.
O show aconteceu para arrecadar fundos para o The Robin Hood Relief Fund, organização que ajudou as vítimas do Sandy nos primeiros momentos com comida, água, cobertores, geradores, entre outras coisas para os moradores de Red Hook, Coney Island, the Rockaways e outras áreas da região.
A Robin Hood ajudou com mais de US$ 8 milhões em doações para mais de 90 grupos diferentes.
O evento teve transmissão ao vivo pelo canal Multishow, e no estilo "Criança Esperança", pessoas do mundo interio podiam fazer suas doações por telefone. Durante a programação, apareciam banderas de diversos países (inclusive o país) com o número para ligar e doar quantias em dólar. Entendo que a causa é nobre, mas acho um disparate os Estados Unidos, os caras que fabricam o dinheiro passarem o pires pedindo uns trocados para o resto do planeta.
Os shows eram intercalados com números de comédia de Adam Sandler e Paul Shaffer, discursos de celebridades e autoridades.
O primeiro a se apresentar foi Bruce Springsteen e sua E Street Band. Ele demonstrou o carisma e presença de palco habituais, e provou que está com o vozeirão em dia. Para o delírio das mocinhas de todas as idades, Bruce convidou Jon Bon Jovi para dividir os vocais em "Born to Run".
Na sequência, veio Roger Waters acompanhado de sua banda, para executarem 5 clássicos do Pink Floyd. Em "Comfortably Numb", Waters convidou Eddie Vedder pra cantar, e o vocalista do Pearl Jam matou a pau! Confira:
Roger Waters & Eddie Vedder - Comfortably Numb
Bon Jovi tocou 4 canções, e retribui o convite, chamando  Bruce Springsteen pra cantar "Who Says You Can't Go Home".
Eric Clapton trouxe sua elegância e seus solos certeiros, que provocaram arrepios na platéia. Encerrou sua participação com um novo arranjo para o blues "Crossroads".
Confira  "Got to Get Better in a Little While":
Os Rolling Stones que completam esse ano 50 anos de carreira, decepcionaram tocando apenas duas canções: "Jumping Jack Flash" (veja o video abaixo) e  "You Got Me Rockin'":
Alicia Keys veio linda, de vermelhoe e de novo penteado. E sozinha ao piano, cantou "Brand New Me" e " No One".
O The Who era uma das atrações mais aguardadas, e superaram as expectativas. Acompanhados por Zaak Starr, filho de Ringo Starr, numa noite inspirada, Pete Towshend e Roger Daltrey esbanjaram vitalidade e boa forma. Daltrey com a garganta em dia, ainda humilhou, cantando de camisa aberta, mostrando abdome sarado aos 68 anos.
Um dos momentos mais emocionantes da noite, foi a homenagem ao saudoso Keith Moon, que apareceu no telão e cantou "Bell Boy".
Veja a perfomance do The Who na íntegra:

Kanye West é o peixe fora d'água. Confesso, não acho graça em Rap, e dormi durante toda sua apresentação.
Billy Joel não goza no Brasil do mesmo prestígio de sua terra natal. Mas em casa ele é um dos maiores astros. Realmente estava bastante a vontade, desfilando seus hits em seu piano.

Chris Martin não levou sua banda, mas abriu sua apresentação com um grande sucesso do Coldplay, "Viva La Vida". Depois chamou Michael Stipe para fazerem um dueto em "Losing My Religion", um dos maiores hinos do R.E.M.
Paul McCartney é o patrão e o dono da festa. Abriu com os Rockões "Helter Skelter" e  "Let Me Roll It". Foi ao piano pra tocar um clássico dos Wings, "Nineteen Hundred and Eighty-Five", e depois convidou Diana Krall em "My Valentine", de seu mais novo álbum "Kisses On The Bottom". Paul pegou seu violão pra mandar a bela "Blackbird".
Veja a apresentação de Paul McCartney na íntegra:
Várias especulações durante a semana diziam que os integrantes remanescentes se reuniriam no show, com Paul McCartney substituindo Kurt Cobain na guitarra e nos vocais. Primeiro foi um boato que saiu no tablóide The Sun. As notícias sobre isso aumentaram no dia do evento benificente, e se espalhavam por portais e jornais. O Guardian passou também a noticiar que rolaria algo com McCartney, Grohl, Novoselic e Smear. Ao longo do dia, os próprios músicos começaram a dar dicas sobre o encontro no Twitter. Horas antes do show, o baixista Novoselic entregou que eles tinham escrito uma música nova com McCartney e que ela era uma mistura de “Helter Skelter” com ”Scentless Apprentice”. Depois disso, Grohl postou uma foto do trio remanescente do Nirvana reunido.
Coube a McCartney acabar com o mistério; ao microfone e anunciou que chamaria três caras que não tocam juntos ao vivo a quase 20 anos. Mas o suspense continuou: Paul vai cantar Nirvana ou não?
Não foi bem isso que aconteceu...
Macca, Grohl, Novoselic e Smear, tocaram a desconhecida “Cut Me Some Slack”, a música feita da soma McCartney + Nirvana, é a primeira prévia do que será a trilha sonora do documentário sobre o estúdio Sound City, dirigido por Dave Grohl.
Em entrevista Grohl afirmou que ele e Paul conversaram por telefone e não queriam fazer um cover de Nirvana ou Beatles. A faixa nova foi gravada há seis meses.
Veja o momento histórico:
 
No fim de sua apresentação, com "Live and Let Die", Paul chamou os bombeiros e policiais que ajudaram e salvaram as vítimas da tempestade e do furacão.
Para encerrar a noite, McCartney pediu que Alicia Keys fosse ao piano pra tocar "Empire State of Mind", com todos os artistas participantes presentes no palco.  SETLIST:

SETLIST:

1 - Bruce Springsteen & E Street Band
- Land of Hope and Dreams
- Wrecking Ball My City of Ruins
-  Born to Run (com Jon Bon Jovi)

2 - Roger Waters
- In the Flesh
- Another Brick in the Wall #2
- Money
- Us And Them
- Comfortably Numb (com Eddie Vedder)

3 - Bon Jovi
- It's My Life
- Wanted Dead or Alive
- Who Says You Can't Go Home (com Bruce Springsteen)
- Livin' on a Prayer

4 - Eric Clapton
- Nobody Knows You When You're Down and Out
- Got to Get Better in a Little While
- Crossroads

5- The Rolling Stones
- Jumpin' Jack Flash
- You Got Me Rockin'

6- Alicia Keys
- Brand New Me
- No One

7 - The Who
- Who Are You
- Bell Boy
- Pinball Wizard
- See Me Feel Me/Listening to You
- Baba O'Riley
- Love Reign O'er Me
- Tea and Theatre

8- Kanye West
- Clique
- Mercy
- Power
- Jesus Walks
- All of the Lights
- Run This Town
- Diamonds from Sierra Leone
- Touch the Sky
- Gold Digger
- Good Life
- Runaway
- Stronger

9- Billy Joel
- Miami 2017 (Seen the Lights Go Out on Broadway)
- Movin' Out (Anthony's Song)
- New York State of Mind
- The River of Dreams
- You May Be Right
- Only the Good Die Young

10- Chris Martin
- Viva La Vida
- Losing My Religion (com Michael Stipe)
- Us Against the World

11- Paul McCartney
- Helter Skelter
- Let Me Roll It
- Nineteen Hundred and Eighty-Five
- My Valentine (com Diana Krall)
- Blackbird
- Cut Me Some Slack (com Dave Grohl, Krist Novoselic e Pat Smear )
- I've Got a Feeling
- Live and Let Die

12- Alicia Keys
- Empire State of Mind (Part II) Broken Down

domingo, 23 de dezembro de 2012

SLAYER, AVENGED SEVENFOLF e GHOST CONFIRMADOS NO ROCK IN RIO 2013

Pra provar que o Blog não dá só notícia ruim, aí estão as últimas bandas confirmadas para o Rock In Rio 2013: Slayer, Avenged Sevenfold e Ghost.
Ainda dá tempo do Medina convocar para os outros dias do Festival um monte de lixo Pop, com direito a Axé. Mas os fãs do som pesado não têm do que reclamar...
O Rock in Rio acaba de adicionar mais peso ao line-up da sua nova edição. Os suecos do Ghost tocam no dia 19 de setembro, fechando a programação do Palco Mundo, que já contava com Metallica, Alice in Chains e Sepultura & Tambores du Bronx.
Já o Slayer sobe ao palco palco principal no dia 22 de setembro, mesma data de Avenged Sevenfold, Iron Maiden, e uma atração a ser ainda confirmada.
Por enquanto, quero ver todos os shows. Mas se é pra criticar, vamos lá...
O Slayer é provavelmente a banda mais pesada do mundo. Uma das mais bem conceituadas e reverenciadas do Metal, que influenciou  e influencia todo músico que faz ou gosta de som agressivo. Possui o baterista mais aclamado do Trash Metal, o insano Dave Lombardo. Não consegui entender por que eles tocarão antes do  Avenged Sevenfold, que é até uma banda bacana, talvez a melhor de sua geração, mas não tem cacife pra superar o Slayer.
Entendo que Lombardo e Cia, estariam mais em casa se tocassem no mesmo dia do Metallica, já que ambos possuem muita afinidade no estilo, e já excursionaram juntos na Big Four Tour, que contou ainda coom Megadeth e Anthrax, onde no fim de cada noite, todos os integrantes dos quatros grupos se reuniam para uma jam.
E por falar em parcerias possíveis durante o Rock In Rio, será que rola de novo esse encontro que aconteceu em 2006, durante o Rock Am Ring? A participação de James Hetfield do Metallica cantando "Would?" com o Alice In Chains. Confira:

Avenged Sevenfold foi uma das bandas mais pedidas nas pesquisas do site do Rock In Rio. Formada por M. Shadows (vocal e teclado), Zacky Vengeance (guitarra e backing vocal), Synyster Gates (guitarra e backing vocal), Johnny Christ (baixo e backing vocal) e Arin Ilejay (bateria), lançou seu último disco em 2010, "Nightmare", atingindo a primeira posição nas paradas musicais nos Estados Unidos. Eles ganharam ainda mais notoriedade após a gravação da música "Carry On", composta especialmente para a trilha sonora de Call of Duty: Black OPS 2, famoso game lançado mundialmente em novembro deste ano.
Com cinco álbuns no mercado, planejam o lançamento do seu próximo para  o segundo semestre de 2013. Será o primeiro com o novo baterista Ilejay, que substitui o genial Mike Portnoy, que entrou na banda devido à morte do batera original, The Rev.
Com a identidade mantida em segredo, o Ghost é composto por seis integrantes, sendo cinco destes (guitarra solo, guitarra rítmica, teclado, baixo e bateria) chamados de Nameless Ghouls (“bestas sem nome”). Eles se apresentam totalmente encapuzados e, durante os shows, o vocalista da banda, Papa Emeritus, sobe ao palco com uma caveira pintada no rosto. Especulações apontam que sem o capuz e a maquiagem eles seriam integrantes de outras bandas suecas famosas na cena de Death / Black Metal.
Não é muito o meu estilo, mas estou curioso pra vê-los ao vivo em ação.

Ao contrário de 2012, que trazia 5 bandas em cada dia no Palco Mundo, ao que parece, a nova edição trará apenas 4, a exceção será no dia 13 de Setembro, o primeiro dia do Festival, que contará com cinco.
Dessa forma, as atrações já anunciadas estão assim organizadas:

13 de Setembro:
- Nenhuma atração divulgada por enquanto.

14 de Setembro:
- MUSE encerrando o Palco Mundo

15 de Setembro:
- Bruce Springesteen encerrando o Palco Mundo
- George Benson & Ivan Lins encerrando o Palco Sunset

19 de Setembro:
- Metallica encerrando o Palco Mundo
- Alice In Chains
- Ghost
- Sepultura & Tambores du Bronx

20 de Setembro:
- Ben Harper encerrando o Palco Sunset

21 de Setembro:
- Nenhuma atração divulgada por enquanto.

22 de Setembro:
- Iron Maiden encerrando o Palco Mundo
- Avenged Sevenfold 
- Slayer
- Uma atração ainda não divulgada

Sei que é utópico, visto o histórico das escalações das três primeiras edições, que sempre acabam incluindo alguns artistas de gosto duvidoso, e que não tem nada a ver com Rock and Roll, mas espero de coração, que Medina mantenha o nível conseguido até agora, e continue contratando grandes nomes do Rock.
Não sou rockeiro xiita ou radical, mas se é um Festival de Rock, não há sentido nenhum colocar Ivete Sangalo ou Claudia Leite. Por acaso, o Sepultura, o Barão Vermelho ou até mesmo o NX Zero já foram convidados pra tocar alguma vez em uma Micareta?
Senhor Roberto Medina, anota aí os meus pedidos:
AC/DC, Rush, Black Sabbath, Van Halen, Black Country Communion, Chickenfoot, Rival Sons, The Who, Rolling Stones, Aerosmith, Soundgarden, The Darkness, Santana, John Mayer, Jimmy Page (que dizem os boatos sairá em turnê solo em 2013), Lobão, Titãs, Pitty, Barão Vermelho, Ed Motta, Paralamas, Cachorro Grande, Velhas Virgens, Viper (ou André Matos solo), Mastodon...

sábado, 22 de dezembro de 2012

Em Novembro morreu Michael Dunford, guitarrista do Renaissance

Para encerrar a sessão "Obituário", uma lamentável notícia para os amantes do Rock Progressivo e da boa música em geral, que acabei deixando de registrar na época:
No dia 20 de Novembro, faleceu o guitarrista Michael Dunford do Renaissance. Dunford morreu depois de sofrer um acidente vascular encefálico. O compositor e guitarrista foi levado para o hospital próximo a sua casa em Surrey (na Inglaterra), mas não resistiu, vindo a óbito no dia seguinte.
Ele acabava de retornar da primeira parte da turnê da banda pelos Estado Unidos.
Dunford formou sua primeira banda de skiffle em 1962, quando era ainda adolescente.
Em 1970, entrou para o Renasissance, que criou um estilo próprio misturando Rock, com música clássica e Folk, se tornando um dos maiores nomes do Progressivo.
Sob a orientação de Dunford e da excelente vocalista Annie Haslam, a banda alcançou o sucesso e aclamação, lançando 11 álbuns entre 1972 e 1983. Com Dunford e Haslam cada um com uma banda, levando suas próprias versões do Renaissance ao longo dos anos 90, os músicos acabaram se reagrupando, até que o guitarrista passou por um grande período de inatividade, que se encerrou quando
 pegaram a estrada para marcar o 40 º aniversário do grupo, em 2009.
Estavam se preparando para o lançamento do novo álbum "Grandine il Vento", o primeiro em 12 anos, e sua turnê pelos EUA estava preparada para continuar em 2013. Haslam recentemente comemorou a nova parceria de trabalho que iria construir com Dunford, dizendo que os problemas que havia encontrado no passado foram superados.
 Michael Dunford deixou esposa (Clare), e os filhos William, de 13 anos, e Oliver, de 10.

Morre Lee Dorman, baixista da banda Iron Butterfly

O Blog já está ficando com cara de obituário...
Mas não posso deixar de registrar também a morte de Lee Dorman, baixista da grande banda Iron Butterfly.
O músico foi encontrado morto dentro de um carro na manhã desta sexta-feira (dia 21). O caso ainda está sob investigação, mas não há suspeita de conduta criminosa.
Dorman também era membro fundador do grupo de rock Captain Beyond.
Iron Butterfly foi uma das grandes bandas do no final dos anos 1960, com o som bastante psicodélico, se transformando num dos mais importantes pilares para o que depois ficou conhecido como Rock Progressivo.
O obra-prima da banda foi o segundo álbum "In-a-gadda-da-vida", vendeu mais de 30 milhões de cópias, e que eu recomendo muito uma audição atenciosa.

MORREU RAVI SHANKAR, EMBAIXADOR DA MÚSICA INDIANA

Outra grande perda no mês de dezembro, foi o músico indiano Ravi Shankar, que vieo a falecer no dia 11, na Califórnia, aos 92 anos.
"Com grande tristeza escrevemos para informar que Pandit Ravi Shankar, marido, pai e alma musical, faleceu", afirmou o comunicado assinado por Sukanya e Anoushka Shankar, esposa e filha do músico. Shankar também era pai da cantora Norah Jones, fruto de uma relação extraconjugal.
Ravi sofria problemas respiratórios e cardíacos desde o ano passado, que o levou a submeter-se, no dia 6 de dezembro, a uma intervenção cirúrgica para substituir uma válvula cardíaca. Embora a operação tenha sido bem-sucedida, seu corpo não foi capaz de suportar o esforço da operação.
Apesar da saúde debilitada, Shankar continuou apresentando-se nos últimos meses e realizou seu último show no dia 4 de novembro em Los Angeles, ao lado de Anoushka Shankar.
Seu álbum "The living room sessions Part 1" foi indicado à próxima edição do Grammy, e o músico recebeu essa notícia antes de sua operação.
Ravi Shankar nasceu nasceu na Índia. Seu pai era professor de violino, e isso facilitou para que Shankar começasse a tocar esse instrumento aos 5 anos. Só a partir de 1936, começou a estudar a sítara, instrumento tradicional indiano. A sítara é um instrumento tão complexo que existe um ditado indiano que diz que "è necessário uma encenação para se aprender a afiná-la, e uma segunda para se aprender a tocá-la".
Ravi se tornou um mestre no instrumento em pouco tempo, e alcançou a fama no Ocidente graças a sua amizade com o beatle George Harrison, de quem foi professor após conhecê-lo em 1966. Os Beatles chamavam Shankar de "padrinho da música mundial".
Harrison foi um aluno dedicado, e foi o primeiro músico ocidental a gravar tocando uma sítara, foi em 1965, na canção "Norwegian Wood", presente no álbum "Rubber Soul" dos Beatles.
Em 1967, Ravi  realizou seu primeiro dueto com o violinista Yehudi Menuhin, com o qual posteriormente colaborou em várias ocasiões. Em 1969, viajou aos EUA com a intenção de aprofundar-se na música do Ocidente e, ao mesmo tempo, popularizar a música hindu. Dois anos mais tarde, a pedido da London Symphony, compôs um concerto que estreou no Royal Festival Hall, na capital inglesa.

Foi a pedido de Shankar que George Harrison organizou o "Concert for Bangladesh", considerado o primeiro show beneficente da história; criado para ajudar aos flagelados daquele país devastado. Participaram da apresentação, além de Harrison e Shankar, estrelas como Ringo Starr, Eric Clapton, Bob Dylan, Leon Russel, Billy Preston e a banda Badfinger.
O show originou um LP duplo e um longa metragem, que também tiveram os lucros revertido às vitimas e a UNICEF. Atualmente também estão disponíveis nas versões em DVDs e CDs duplos.

A atividade musical de Ravi Shankar foi intensa, tendo destaque também como compositor. É autor de dois concertos para sitar e orquestra, além de músicas para balés e trilhas sonoras para filmes.
A influência de Ravi Shankar na música mundial é muito grande. Além de Harrison e os Beatles, vários músicos a partir dos anos 60, beberam dessa fonte; os mais aclamados são The Doors, The Byrds, e os guitarristas John Mclaughlin, Brian Jones (do Rolling Stones), Eric Clapton, entre outros.
Como consequência da morte do pai, a cantora e pianista Norah Jones cancelou os shows que faria em dezembro no Brasil. A tour começaria no dia 12 em em Porto Alegre, e depois passaria por São Paulo (dia 15) e Rio de Janeiro (no dia 16).