Total de visualizações de página

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

6 de Novembro de 2011 - PEARL JAM na Apoteose (RJ)

Em 2005, eu perdi de bobeira... E tive que ouvir de um monte de "Rockeiro de Ocasião" (aquele tipo de gente que só aparece em eventos da moda, pra fazer encenação como se gostasse de Rock) tirando onda da minha cara, por eu ter perdido o show do Pearl Jam.
Mas dessa vez eu estava lá, e no gargarejo. Na verdade, o motivo era a Mell, que ganhou ingresso de presente de aniversário, e fez questão de chegar cedo pra poder babar no Eddie Vedder bem de pertinho.
Às 19h começou o curto show de abertura da lendária banda punk californiana X. A vocalista Exene Cervenka foi saudada pela platéia com gritos de "Susan! Susan!". E não é que a moça era mesmo parecida com a Susan Boyle.Ela juntamente com o guitarrista Billy Zoom, o baixista John Doe, e o baterista D.J. Bonebrake são a formação original, que começou no ano de 1977. O som estava num volume bom e bem regulado, principalmente em se tratando de um show de abertura. Os espectadores que estavam lá para ver Pearl Jam, assistiram com respeito ao Punk Rock com pitadas de Rockabilly do X. Em muitos momentos chegaram a empolgar. Depois de 13 músicas, com direito a cover de Jerry Lee Lewis, a galera chegou a pedir Bis. Você pode até não gostar, mas não tem como negar que o Pearl Jam é uma banda de princípios, e que não se vende a modismos. Os considero um dos melhores grupos em atividade, mas confesso não ser fã, apesar de considerar "Ten" um discaço.
Trinta e cinco mil pessoas lotaram a Praça da Apoteose, por um motivo apenas: a Música. E era exatamente a única coisa que Vedder e cia ofereceram. Eram os músicos, um pano de fundo com caixas de som desenhadas, e só. Mas já era o suficiente, para 2h40m de Rock, em 30 canções, quase todas cantadas a plenos pulmões pela platéia.
Os músicos sempre tiveram uma sonoridade características, e se mostram entrosados suficientes para mudar as ordens das músicas, ao comando de Eddie Vedder. Ainda houve a participação em alguns números do tecladista Boom Gaspar, que já é um antigo companheiro de turnês.
Os guitarristas Stone Gossard e Mike McCready realizam interessantes diálogos, se completando, ficando a grande maioria de solos para McCready, que viaja em seus longos improvisos. Matt Cameron é um grande baterista, que veio originalmente da co-irmã Soundgarden, e foi também o escolhido por Geddy Lee para assumir as baquetas em seu primeiro e único disco solo, o que é uma grande responsabilidade tocar com um baixista que está acostumado a olhar pra trás e ver sentado na bateria ninguém menos que Neil Peart. Mas no Pearl Jam, Cameron parece tentar simplificar ao máximo as levadas das canções mais antigas, e imprimir peso nas novas.
Jeff Ament é um baixista criativo que alterna o baixo fretless com o normal, sempre em forte sintonia com a pegada forte e pesada da bateria de Cameron.
Não é novidade que o destaque é mesmo Eddie Vedder, com sua voz caracteristicamente grave, um dos maiores vocalistas do Rock, que fez escola, gerando uma infinidade de bandas a partir dos anos 90, que tinham vocalistas que copiaram descaradamente seu timbre. Stone Temple Pilots, Creed e Matchbox Twenty que o digam....
Com quase 47 anos de idade, Vedder ainda mantém a voz intacta e vigorosa, o segredo talvez sejam as generosas goladas de vinho que ele dá direto na garrafa, invariavelmente entre uma música e outra. No setlist apareceram do aclamado álbum "Ten" cinco músicas: "Black", "Evenflow", "Jeremy", "Alive" e "Why Go", que causaram delírio coletivo. Não foram as únicas a causar orgasmos nos fãs. "Daughter ", por exemplo, foi cantada tão alto pela platéia, que chegou a cobrir a voz de Eddie. Em muitos momentos o vocalistas chegava a se assustar com a vontade que a galera gritava as letras de quase todas do repertório.
As surpresas ficaram nos covers, enquanto que em São Paulo rolou o sucesso radiográfico "Last Kiss" e “Baba O’Riley” do The Who (banda preferida de Vedder), no Rio fomos presenteados com "Mother", do álbum "The Wall" do Pink Floyd, numa versão fiel ao original. Em "I Believe In Miracles", dos Ramones, Eddie continou a homenagem a Johnny Ramone, que começou em "Come Back", que Vedder dedicou falando em português: "Ofereço essa música a Johnny Ramone, sinto muitas saudades dele". No finalzinho, o amigo e parceiro Neil Young também foi lembrado em "Rockin' In The Free World", que ganhou uma versão alongada com longos solos da dupla de guitarristas. Pra encerrar mesmo, duas mais tranquilas: "Indifference" e "Yellow Ledbetter". Esta última com a introdução que me fez lembrar "Little Wing" de Jimi Hendrix.
Eu particularmente achei a ordem do setlist meio estranha. Parecia de que quando finalmente o show engrenava, aparecia uma música que não tinha nada a ver com as anteriores para dar uma esfriada. Parece que fui o único presente a se preocupar com isso, porque o que presenciei foram sorrisos largos, gente pulando feliz e satisfeita, e deixando a Apoteose como se tivesse acabado de atravessar o Sambódromo com sua Escola de Samba de coração, num daqueles desfiles consagradores com direito a coro de "Já ganhou!". E são poucas bandas atualmente no planeta que conseguem proporcionar aos seus fãs esse tipo de sensação.
SETLIST:
01. Unthought Known
02. Last Exit
03. Blood
04. Corduroy
05. Given To Fly
06. Nothingman
07. Faithfull
08. Evenflow
09. Daughter
10. Habit
11. Immortality
12. The Fixer
13. Got Some
14. Elderly Woman Behind The Counter In A Small Town
15. Why Go
16. Rearviewmirror
Bis 1
17. Just Breathe
18. Come Back
19. I Believe In Miracles (Ramones)
20. State Of Love And Trust
21. Of The Earth
22. Do The Evolution
23. Jeremy
Bis 2
24. Mother (Pink Floyd)
25. Betterman
26. Black
27. Alive
28. Rockin' In The Free World-(Neil Young)
29. Indifference
30. Yellow Ledbetter

7 comentários:

  1. Até que enfim! Tava esperando ansiosa essa postagem!!

    Primeiro lugar: Não fui babar no Eddie Vedder, fui curtir uma das minhas bandas preferidas de perto.
    Segundo: Foi vc que me deu o presente!!!

    Eu tb não fui em 2005, tinha 18 anos e nenhuma cia! Só Deus sabe o quanto eu tava ansiosa pra esse show!!!

    Pra mim, foi INESQUECÍVEL! Tá quase no msm nível do U2 e do Paul (U2 fica em primeiro pelo conjunto da obra) e o Paul é o Paul. Eddie é simpático, carismático e eu adoro o timbre da voz dele. Sempre me arrepiei ouvindo Black na extinta rádio cidade quando ainda era pré adolescente. Ele ser bonito é só um plus e nada tem a ver com meu gosto pela banda, portanto PARA DE FALAR QUE EU FUI PRA BABAR NELE!!!

    Lógico que ele é a estrela, afinal, é o vocalista, todo mundo olha pra ele, oras! É ele quem interage com o público (adorei ele batendo na cabeça porque não conseguia falar "meu").

    Não entendi porque vc falou da ordem do
    setlist. Eles não cantam só os sucessos radiofônicos, têm várias outras músicas bacanas que não tocaram nas rádios, tipo Unthought Known, Given To Fly, etc...

    Confesso que me emocionei em "Come back" lembrando do meu pai (saudade graaaaaande demais).

    Ah, e vc não comentou uma negócio importante: A galera com as bolas pretas em "Black", quando ele ficou todo emocionado olhando pro público com cara de bobo!

    Espero vê-los em breve e não ter que esperar mais 5 anos pra isso!

    E, de novo, obrigada pelo presente!!!!!

    Ps: As fotos foram todas vc quem tirou?? Ficarm ÓTIMAS! Parabéns =)

    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Aaaaah, esqueci de falar que ficaram faltando: Last Kiss, I am mine e Love Boat Captain

    ResponderExcluir
  3. Muito bom o Show!!!

    Lula Zeppeliano

    ResponderExcluir
  4. Respondendo:
    Mell, vc foi sim babar o Eddie Vedder, tanto que fez isso o show todo. E vc realmente tem um gosto duvidoso para homens...
    Além de estrela, o Vedder é o melhor da banda.
    o que reclamei não foi da falta de sucessos radiofonicos, e sim achei a ordem das canções sem nexo, misturando musicas animadas com outras muito arrastadas.
    Sim, todas as fotos fui eu que tirei, enquanto vc babava...
    E não precisa agradecer pelo presente, basta retribuir...
    :-p

    ResponderExcluir
  5. Vc demorou semanas pra me responder isso?? Na moral, isso é uma falta de respeito comigo! Defina babar. Se for sinônimo de admirar e curtir, então beleza, babei msm!
    Gosto duvidoso por quê?

    ResponderExcluir
  6. Putz...fala sério! É só olhar pro seu namorado

    ResponderExcluir