Total de visualizações de página

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

EU NA EUROPA 2012 - Quinto Dia: Amsterdam - Museu Van Gogh, Rijksmuseum e Hard Rock Café


Pelo Google maps aprendemos como chegar no Van Gogh Museum, e pegamos o bonde que nos deixou na porta. E tivemos que encarar uma filinha consideravel para entrar.
Mas a espera compensou. O Mueseu Van Gogh é uma das maiores atrações de Amsterdam, e vale muito a pena encarar a fila, e disputar um espacinho na frente de uma das 200 obras primas da sua coleção do gênio. O acervo ainda inclui obras de contemporâneos, influências e amigos.
O prédio tem 3 andares, e os quadros estão bem iluminados e posicionados de forma que permitem ser apreciados sem que a gente precise se contorcer.
Para cada peça há informações abundantes escritas em inglês e holandês, e a exposição é organizada de forma que você acompanhe a evolução da arte de Van Gogh, e consiga seguir as várias fases de sua vida.
O visitante também consegue aprender sobre a história dea vida de Vincent Van Gogh, que é extremamente triste. Tinha poucos amigos, dependia do irmão até pra comprar as tintas dos seus quadros, e sua geniosidade não foi reconhecida em vida. Não era por menos que sofria de depressão e de uma doença psicológica até hoje indeterminada, que provavelmente o levou ao suicídio.
A lojinha do Museu é bem bacana, e tem todos os artigos que você possa imaginar ornamentados com quadros de Vincent: copos, xícaras, camisetas, cadernos, canetas, toalhas, aventais, estojos, calendários, etc. Pode-se comprar também posters de várias de suas obras mais famosas. Comprei um do quadro acima, que é embalado numa interessante caixa que carrego abaixo na foto:
Bem pertinho do Museu Van Gogh, fica o Rijksmuseum, cheio de relíquias históricas, e muitas obras de pintores do quilate de Rembrandt e Vermeer. Por fora ele já é muito bonito, lembrando a Centraal Station, e a semelhança não é por acaso, pois ambos têm o mesmo arquiteto. Há também um belo e bem cuidado  jardim externo.
 Mas o acervo é a principal atração, desde peças da história da Holanda, como a réplica em miniatura dessa caravela da época do Vasco da Gama!!!...
... e lindas obras de arte antiquíssimas que parecem novinhas em folha, como essas preciosidades:
A Leiteira de Vemeer

Retrato do Principe Willem I, pintado pelo mestre Dirk Barentsz, que usa a impressionate técnica que dá a impressão que o retratado acompanha com o olhar da pessoa que está admirando o quadro.

Ronda Noturna de Rembrandt

O Rijksmuseum também possui sua lojinha, e diferentemente do Museu Van Gogh, você pode tirar fotos a vontade de suas obras.
Por falar em fotos, é obrigatório para os turistas posar na imensa inscrição "I amsterdam", que fica na praça em frente ao Rijksmuseum.
Não podíamos fugir à regra...

Voltando a pé para o Hotel, encontramos sem querer a Hard Rock Café...
...onde tive que morrer em 12 Euros num coquetel sem álcool bem ruinzinho, porque a Mell queria levar o copo pra casa.
Mas valeu a pena, porque ela comprou pra mim lá, uma maneríssima camisa do Jimi Hendrix, que foi bem mais cara, e aparecerei usando-a em uma das postagens seguintes.
A Hard Rock Cafe é famosa por exibir relíquias históricas do Rock and Roll, e a filial de Amsterdan, coloca logo na entrada e em destaque, peças dos irmãos Alex e Eddie Van Halen. Não é por menos, a dupla de mestres do Rock nasceu na Holanda.

A Mell babou ovo do U2

Enquanto eu posava com a guitarra do Kerry King  do Slayer, e me encantava com a clássica e psicodélica Fender Strato do George Harrison.
No shopping onde fica a Hard Rock, assistimos uma acirrada e disputada partida de xadrex entre duas crianças. A mais jovem ganhou e foi muito aplaudida.
Jantamos uma espécie de Yakisoba da Indonésia, carregada na pimenta, que não caiu muito bem pra Mell, e que pra mim não surtiu efeitos. E fechamos a noite no quarto do hotel vendo pela internet a vitória do Vasco sobre o Sport com golaços de Juninho e Tenório. Na verdade fui eu que assisti enquanto a Mell já estava no décimo sono.

Nenhum comentário:

Postar um comentário