Total de visualizações de página

segunda-feira, 29 de junho de 2009

COMÉDIA EM PÉ NA LONA DE JACAREPAGUÁ - 24 de junho de 2009


É muito louvável a iniciativa de trazer à Lona umas das atrações teatrais mais aclamadas dos últimos anos, por preços muito acessíveis. Consequência: a necessidade da realização de uma sessão-extra na mesma noite. Foi justamente nessa sessão que eu consegui os ingressos. E me esbaldei de tanto rir. Com a apresentação de Claudio Torres Gonzaga, que dá as boas-vindas ao público, e vai apresentando seus colegas de grupo, sem antes deixar de fazer suas graças. Os atores vão se revezando, até que no fim todos voltam pra fechar o show, com cada um desenvolvendo um tema comum, que no caso foi o "Eu não entendo...".
O "Comédia em Pé" é considerado um humor franciscano, porque seus humoristas não podem lançar mão de artifícios, têm que obedecer a regras básicas em suas apresentações:
1 – O comediante só pode se apresentar sozinho.
2 – Só é permitido se apresentar com texto próprio.
3 - Não pode fazer personagem ou figurinos.
4 - Não é permitido o uso de trilha sonora ou qualquer tipo de sonoplastia.
5 - Não é permitido fazer nenhuma marcação de luz.
8 – Não é permitido o uso de cenografia ou adereço.

O grupo é formado ainda por Fábio Porchaté, Paulo Carvalho,Léo Lins e Fernando Caruso. Vou dar destaque pra Caruso, porque ele baseou sua apresentação sacaneando as composições de alguns astros da MPB, como Jorge Vercilo, Ana Carolina, Tim Maia e Adriana Calcanhoto. Ele tentava descobrir como seriam seus processos criativos de composição das músicas. Foi hilário quando ele tentou elucidar a forma que Djavan compunha suas letras. Segundo Caruso, Djavan teria um saco cheio de palavras que vai sorteando: "Açai, guardião, zum-de-besouro, ímã". Sou fã incondicional da genialidade do Djavan, mas quase me mijei de tanto rir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário