Total de visualizações de página

domingo, 8 de maio de 2011

6 de Maio de 2011 - JOHN FOGERTY NO CITIBANK HALL (RJ)

A imprensa brasileira praticamente deixou passar batida a primeira visita ao Brasil de John Fogerty, um dos maiores nomes do Rock, verdadeira lenda viva. Fogerty é simplesmente a voz, a guitarra, o compositor e o líder do Creedence Clearwater Revival.
Do contrário, foi feita grande cobertura quando a enganação chamada "Creedence Clearwater Revisited" esteve por aqui há alguns anos. Tratava-se da banda formada em 1995 pelo baixista e baterista originais do Creedence Clearwater Revival: Stu Cook e Doug Clifford. É mais ou menos como se os integrantes do Dire Straits se reunissem sem MArk Knopfler, e resolvessem utilizar o nome já consagrado do grupo.
Com quinze minutos de atraso, John Fogerty aparece no palco vestindo calça preta e camisa xadrez azul (que podia ser comprada uma idêntica na banca de produtos oficiais da turnê montada no Citibank Hall). O tempo parece estar do lado de Fogerty. O cara completa esse mês 66 anos, e fisicamente aparenta muito menos, e principalmente continua cantando muito, mantendo as canções nos tons originais. Não pára quieto o show todo, pulou, esbanjou simpatia, deu autógrafos, saudou e apertou as mãos dos fãs.
Foi acompanhado por uma banda afiadíssima, formada pelos guitarristas Hunter Perrin e James Intveld, pelo baixista Dave Santos, pelo tecladista Matt Nolen (que também tocou violão e guitarra) e pelo baterista Kenny Aronoff.Aronoff é, sem dúvida, o destaque da banda; grande batera que consegue demostrar técnica apurada e viradas interessantes, sem comprometer o andamento dançante das músicas. John chega a apresentá-lo como "o melhor baterista do Rock"; exageros a parte, Kenny é um dos mais versáteis e requisitados músicos da atualidade.
Matt Nolen usou um Hammond B3 original, o que foi o suficiente para fazê-lo brilhar. Dave Santos foi discreto e preciso.
Perrin e Intveld fizeram a parede sonora pra sustentar os solos de Fogerty, mas tiveram também seus momentos pra solarem.
Das 25 músicas do setlist, 18 são do Creedence, e Figerty tocou 10 seguidas logo de entrada, abrindo com o Rockão "Hey Tonight", e dizendo ao público empolgado: “Como vocês estão? Esta é a minha primeira apresentação na América do Sul e estou muito feliz por poder estar aqui esta noite”. Os arranjos foram bem parecidos com os dos discos, mas ao vivo ganharam mais peso, com as guitarras com um pouquinho mais de distorção.
John arrebentou na guitarra, com simplicidade dos verdadeiros mestres, deu uma verdadeira aula de como o instrumento deve ser usado no Rock. Praticamente utilizou uma por música: Gibson Les Paul (uma preta e uma dourada), Fender Telecaster, Ernie Ball, PRS; uma mais linda que a outra. O solo de "Rambe Tamble", na minha opinião foi o destaque, o mais bonito da noite. Na intro de "Keep on chooglin" se arriscou num tapping no estilo Eddie Van Halen, e depois ainda tocou gaita na canção.
Nunca tinha visto numa platéia de show de Rock tamanha quantidade de gente de mais de 50 anos. E não vejo isso de forma pejorativa, pois tenho o maior respeito pelos ditos "Dinossauros do Rock". Espero ter saúde pra um dia também poder ser chamado assim. E os coroas estavam em êxtase total, delirando com os hinos eternos como "Green river", "Lodi", "Bad moon rising" e "Born on the bayou".
Da fase solo foram tocadas seis: "Rockin’ All Over The World" (do LP "John Fogerty" de 1975) , "Centerfield", "Old Man Down The Road", "Rock’n’Roll Girls" (LP "Centerfield" de 1985), "Hot Rod Heart" (CD "Blue Moon Swamp" de 2007), e "Don’t You Wish It Was True" ("Revival" de 2007). Teve espaço para uma cover em homenagem a Roy Orbison, o hit "Pretty Woman".
Por falar em cover, Fogerty tocou duas gravadas pelo Creedence que ficaram até mais famosas que versõs de seus autores. A primeira foi "Susie Q", composta por Dale Hawkins em 1957, que ganhou gravações de gente como Rolling Stones, Carl Perkins, Johnny Rivers; foi o primeiro sucesso do Creedence, e foi anunciada no Show pelo cantor como "a canção que começou tudo para ele em 1968". A outra é a clássica "Heard It Trough The Grapevine", hit de Smokey Robinson, que também foi sucesso com Marvin Gaye.
Em inglês, John conversou muito com a platéia, antes de "Who’ll Stop The Rain", disse: "Há muito tempo toquei em um festival chamado Woodstock. Conhecem? Lá estive com muito gente famosa: Hendrix, Janis, Sly & Family Stone, meu grande amigo Carlos Santana, Jerry Garcia e toda a turma hippie. Compus esta música quando voltava para casa".
Por falar em Woodstock, é uma pena que Fogerty tenha proibido a inclusão da apresentação do Creedence no documentário do legendário festival, por não ter gostado da performance da banda. Dessa forma essas imagens ganham altíssimo valor histórico, já que são raras, e o possuidor desse registro tem um grande tesouro nas mãos. Espero que um dia seja lançado em DVD/Blu-Ray.
Na balada "Have you ever seen the rain?", cantada em coro pela galera, John dedicou à esposa Julie, com quem é casado há mais de 20 anos e a sua "família maravilhosa", em especial a uma de suas quatro filhas ("ela é um arco-íris na minha vida").
Foram 105 minutos de celebração ao bom e velho Rock and Roll, e foi uma prova de que a fórmula de Country + Rock Sulista de John Fogerty e seu Creedence sempre agradarão aos apaixonados pela boa música feita pelo coração e pela alma, e que acima de tudo, é atemporal.
A festa foi encerrada com "Proud Mary" e todo mundo deixando as cadeiras, pulando alucinadamente na frente do palco.
Espaço para o chororô: faltou "Run Through The Jungle", "Hello Mary Lou", "Good Golly Miss Molly", "Molina", e principalmente "Long As I Can See The Light" e "Travelin' Band". Olha eu, sempre insatisfeito, o show foi fodão e eu reclamando...
SETLIST:
1. "Hey tonight"
2. "Green river"
3. "Who'll stop the rain"
4. "Susie Q"
5. "Lookin' out my back door"
6. "Lodi"
7. "Born on the bayou"
8. "Ramble tumble"
9. "Midnight special"
10. "Cotton fields"
11. "Hot rod heart"
12. "Don't you wish it was true"
13. "Have you ever seen the rain?"
14. "Oh, pretty woman"
15. "I heard it through the grapevine"
16. "Up around the bend"
17. "Keep on chooglin'"
18. "Down on the corner"
19. "Rock and roll girls"
20. "Centerfield"
21. "The old man down the road"
22. "Bad moon rising"
23. "Fortunate son"

Bis
24. "Rockin’ all over the world"
25. "Proud Mary"

Nenhum comentário:

Postar um comentário