Total de visualizações de página

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

"OS CINCO RAPAZES DE LIVERPOOL" - Filme de 1993 funciona como continuação de "O Garoto de Liverpool" de 2009

Finalmente "O Garoto de Liverpool" ("Nowhere Boy") estreiou em grande circuito nos cinemas brasileiros, com um atraso de quase 2 anos (veja a resenha que escrevi sobre o filme: "O GAROTO DE LIVERPOOL" ("NOWHERE BOY") TEM SUA PREMIERE BRSASILEIRA NO "FESTIVAL DO RIO 2010". O longa que mostra a adolescência difícil de Lennon, termina com John partindo em viagem com sua banda, já batizada como Beatles para uma turnê pela cidade alemã de Hamburgo; exatamente onde começa a história de "Os Cico Rapazes de Liverpool" ("Backbaeat") lançado em 1994.
Filme de estréia de Iain Softley como diretor, "Os Cinco Rapazes de Liverpool" mostra os Beatles em 1960, antes da fama em sua viagem em busca do sucesso. É focado no baixista Stuart Sutcliffe (Stephen Dorff), o "quinto beatle", melhor amigo de Lennon, e artista plástico de talento, que é convencido por John a comprar um contra-baixo para entrar na banda. Ao irem para a Alemanha, Stuart se envolve e se apaixona pela bela e estilosa Astrid (Sheryl Lee) que vive uma estranha relação com Klaus Voormann (Kai Wiesinger).
Após Klaus assistir uma das apresentações, ele fica entusiasmado com a banda, e convence a fotógrafa Astrid (Sheryl Lee), a apresentá-los para o circuito alternativo da cidade. Aos poucos Sutcliffe se aproxima de Astrid e se afasta cada vez mais do grupo, a ponto de faltar ao convite para gravarem seu primeiro disco como banda de apoio de Tony Sheridan, aonde Paul assumiu o baixo. Stuart vive um verdadeiro dilema: ser pintor e ficar com a amada Astrid ou continuar com a futura maior banda do mundo.
Em Hamburgo eram obrigados a se apresentarem seis ou sete horas por noite durante sete dias por semana, e usavam bebidas e drogas para se manterem acordados e conseguirem tocar com energia. O repertório era de covers de rock'n'roll dos anos 1950, de feras como Carl Perkins, Little Richard, Chuck Berry, Eddie Cochran e Bo Diddley. Os atores dublavam as gravações feitas por uma verdadeira "All Star Band" formada por Dave Grohl na bateria (Foo Fighters / Nirvana), David Pirner nos vocais (Soul Asylum), Mike Mills no baixo e vocais(R.E.M.), Don Fleming na guitarra-solo e backing vocais (Velvet Monkeys), Thurston Moore na guitarra (Sonic Youth), e Dave Pirner nos vocais(Soul Asylum).
Outra coisa bacana é que os atores se parecem com seus personagens, a caracterização, figurino e direção de arte são muito bons, e somado às excelentes atuações faz com que acreditemos que estamos diantes dos jovens John Lennon (Ian Hart), Paul McCartney (Gary Bakewell), George Harrison (Chris O'Neill) e o baterista original Pete Best(Paul Duckworth).
A história relatada é bem fiel a realidade, mostrando um Lennon super talentoso, meio arrogante com sua certeza e predestinação pelo sucesso, fortemente ligado à amizade de Stuart Sutcliffe. Já Paul aparece no filme num papel secundário, e em alguns momentos de atrito com John por opiniões divergentes, principalmente em relação as deficiências técnicas de Stuart como músico, e ao seu pouco envolvimento e interesse demostrado pela banda.
Muitas curiosidades são mostradas como a deportação dos Beatles na primeira viagem a Hamburgo porque Harrison ainda era menor de idade; a rápida aparição de Ringo Starr, que só entraria na banda em 62.
A letante importância de Astrid no visual dos Beatles é documentada. Ela realizou o primeiro ensaio fotográfico do grupo. Confira uma das fotos originais:
A fotógrafa Astrid Kirchherr foi a responsável pela mudança do corte de cabelo, dos originais topetes às franjinhas penteadas para baixo, no famoso corte em forma de cuia que se tornaria uma das marcas registradas do Fabfour a partir 1962.
Veja Astrid e Stuart, primeiro os originais, e depois os personagens do filme:
O artista plástico e músico Klaus Voormann também tem importante papel na história dos Beatles, fazendo a capa do excelente LP "Revolver", e tocando baixo nas gravações dos dois discos solos de Lennon, o de estréia e o famosíssimo "Imagine".
Paul McCartney comentou que o filme tem alguns erros, como por exemplo o fato de Lennon nunca ter cantado "Long Tall Sally", o que não chega a comprometer.
Os dois longas "O Garoto de Liverpool"("Nowhere Man") e "Os Cinco Rapazes de Liverpool" ("Backbeat") são excelentes filmes, muito bem montados e dirigidos, ambos com elenco com jovens atores em atuações brilhantes. São películas altamente recomendadas, tanto para os fãs que irão se deliciar, quanto para aqueles que odeiam ou nunca ouviram falar nos Beatles (Será que existem pessoas assim?!).
Infelizmente o DVD de "Os Cinco Rapazes de Liverpool" está fora de católogo no Brasil, mas ganhei um graças aos esforços da Mell, que conseguiu comprá-lo no site "videolar.com".
Ao receber o presente, li na contra-capa do DVD as inscrições: "'Os Cinco Rapazes de Liverpool é um arrepiante espetáculo de chacoalhar a casa... Desafiador, emocionante, erótico.' -ROLLING STONE". Fiquei intrigado e comentei com a Mell: "Porra, nada a ver... Viajaram! O que esse filme tem de erótico?"
Já tinha assistido ao filme em 1994, e por mais inacreditável que possa parecer, não lembrava das dançarinas de stripper (que são mostradas generosamente em cenas ricas em detalhes) que se apresentavam no palco dos bares de Hamburgo nos intervalos dos shows dos Beatles, e nas tórridas e belas cenas de amor contracenadas pelos atores Sheryl Lee e Stephen Dorff. :-)
Capa do CD com a trilha sonora de "Os Cinco Rapazes de Liverpool" ("Backbeat")

2 comentários: