Total de visualizações de página

terça-feira, 29 de março de 2011

29 de Março de 2011 - IRON MAIDEN NO HSBC ARENA (RJ)

Depois de todas as confusões, todos esperavam que o Iron Maiden trouxesse alguma surpresa para o show de segunda-feira. Eu esperava por um Setlist maior, talvez contando com clássicos como “Run to the hills” ou "Aces High" que estavam fora do repertório da nova turnê. Mas não rolou nenhum bônus. No final do bis até parecia que ia ter, depois que a banda saiu do palco, as luzes continuaram acesas por um bom tempo, fazendo a platéia acreditar num novo Bis, e gritando “Run to the hills! Run to the hills!”, esperou em vão pela volta dos músicos, que não aconteceu. Foram as mesmas 16 músicas dos shows que o Iron vinha tocando no México, Colômbia, Peru e em São Paulo. Dois anos depois da turnê "Somewhere back in time" que passou pela Apoteose, e que priveligiou os clássicos dos Anos 80, com a exceção de "Fear of the dark", que atualmente é uma das obrigatórias; dessa vez decidiram priorizar na nova tour canções de sua fase mais recente. Oito das 16 músicas saíram de discos lançados a partir do ano 2000: duas do "Brave new world" (2000), uma do "Dance of death" (2003) e cinco faixas (metade do novo disco) do "Final Frontier", o melhor álbum desde "Fear Of The Dark"(de 1993). Bruce Dickinson tentou compensar "babando ovo" dos fãs, elogiando os cariocas, e agradecendo por voltarem para prestigiá-los. E não deixou de comentar com humor o episódio do dia anterior: "Agora temos uma grade novinha, brilhante e muito cara. Vocês não pagaram pela grade, nós não pagamos pela grade. Algum filha da puta pagou pela grade." Os jornais e o site do HSBC falam que houve pouca diferença no número de pessoas no domingo e segunda, mostram algo em torno de mil a dois mil a menos. Mas a impressão que tive era que havia a redução de pelo menos 1/3 do público. Ainda não foi dessa vez que o Iron Maiden mostrou tudo o que os 3 guitarristas podem fazer juntos. Apesar de entrosados, Janicks Gers ainda faz papel secundário, parecendo ter mais importância na parte visual, pois é de longe o mais animado dos 3, correndo e pulando o tempo todo, e sempre levantando a guitarra. Dave Murray e Adrian Smith ficavam mais paradões, e iam ora com Gibson Les Paul ora com Fender Stratocaster, compensando a pouca movimentação com solos matadores. O chefão e baixista Steve Harris demostrou muita energia, correndo e colocando seu baixo galopante como alicerce da banda. Com apoio do grande baterista baterista Nicko McBrain, que mais uma vez mostrou porque é um dos melhores do Heavy Metal, sempre escondido atrás da montanha de tambores e pratos. Bruce parecia um menino, correndo o palco todo sem perder o fôlego, e mostrando que ainda tem muita voz, mesmo com seus 52 anos de idade. Dickinson estava especialmente perfomártico, interpretando as canções com empolgação. O som estava bom, apesar de algumas falhas no microfone de Bruce, e de algumas momentos sua voz tenha ficado baixa. Mas as guitarras, principalemente nos solos estavam primorosas. Estava muito melhor do que em 2009 na Apoteose, aonde o som estava simplesmente horroroso. (Veja a resenha desse show IRON MAIDEN - 14 de Março de 2009 - Praça da Apoteose - Rio de Janeiro ). O cenário era "meia boca", simulando uma base espacial, e em cada música o pano de fundo ia sendo trocado. Achei que um telão no meio do palco fez falta, apesar da presença de dois nas laterais. Eddie não poderia faltar, e apareceu em duas versões. Em "The Evil That Men Do" veio como na capa do novo CD, andando pelo surgiu como gigante de oito metros atrás do palco, com garras enormes. Em "The Number of the Beast" , surgiu o sinistro boneco da besta, que movimentava a cabeça em meio a nuvens de fumaça. As quase duas horas de show agradaram muito a quem queria saborear uma das melhores bandas da história do Rock Pesado. As músicas novas tiveram boa aceitação, e muitas delas foram cantadas pelo público. Canções longas, cheias de partes e mudanças de andamento como a bela "When the wild wind blows", davam um clima diferente, que contrastava com petardos "2 minutes to midnight" e "The Trooper" que eram recebidas com gritos e delírios. É claro que os clássicos geravam mais festa. Uma coisa bacana foi o encontro de gerações; vi algumas senhoras que beiravam os 60 anos, pais com seus filhos, Rockeiros cascudos da velha guarda, molecada, e alguns Emos, todos misturados pra curtir boa música. Esse espírito foi somado ao discurso de Bruce Dickinson antes de "Blood Brothers", quando lamentou os desastres no Japão, e os feridos nos conflitos no Egito e Líbia, destacando que em todos os lugares existem fãs do Iron Maiden, e que não importam as diferenças de raça, religião, língua. A paixão pela banda, pelo Metal e pelo Rock une a todos. SETLIST

Satellite 15... The Final Frontier El Dorado 2 Minutes to Midnight The Talisman Coming Home Dance of Death The Trooper The Wicker Man Blood Brothers When the Wild Wind Blows The Evil That Men Do Fear of the Dark Iron Maiden Bis: The Number of the Beast Hallowed Be Thy Name Running FreeEu fazendo cara de mau, esperando "Pacientemente" o início do show.

10 comentários:

  1. Moh cara de sono, teve que trabalhar no outro dia? rs

    Abraços,

    Bruno Gomes.

    ResponderExcluir
  2. Oi Bruno,
    você tem razão não era cara de mau, e sim de sono. Rsss
    Sim trabalhei segunda e terça normalmente.
    Abração

    ResponderExcluir
  3. Sem Flight Of Icarus !?!? Se tivesse ido teria ficado muito "P" da vida!!! É uma das que mais adoro! Inclusive estou ouvindo no momento...

    ResponderExcluir
  4. Oi Chris, acho q vc não ficaria "P", pois o show foi bem maneiro.
    Também não tocaram "Where Eagles Dare", que é a minha preferida, e nem por isso saí de lá contrariado.
    Beijo

    ResponderExcluir
  5. sem "Tears of the dragon".............

    ResponderExcluir
  6. Oi Dani,
    vc nunca vai ouvir "Tears Of The Dragon" num show do Iron Maiden, pq é da carreira solo do Bruce Dickinson.
    E vc foi ao show?
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Respostas
    1. Deu mole, anônimo.
      Mas fica ligado que o Brasil será incluído na nova tour do Maiden, e parece que tocarão no Rock In Rio em 2013.

      Excluir
  8. é estranho ver the wicker man ser usada sem ser canção de abertura,apesar de cada álbum ter a sua

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gustavo,
      por mim eles abririam com "Be Quick or Be Dead".
      Abraço

      Excluir