Total de visualizações de página

domingo, 9 de maio de 2010

17 de Abril de 2010 - O TERÇO NO TEATRO RIVAL - Rio de Janeiro


O local era o tradicional Teatro Rival, na Cinelândia, no Centro do Rio. O público era basicamente dividido entre fãs de Flávio Venturini (em sua maioria mulheres), e senhores na casa dos 50 anos, fãs de Rock progressivo, com suas surradas camisetas de bandas como Yes, Pink Floyd e Rush. No meu caso, pertenço aos dois grupos, gosto muito do Flávio, e apesar de ainda estar com 33, adoro Progressivo. Confirmei que não sou o único caso, pois havia uma galera jovem, alguns até mais novos que eu, provando que a chama do Progressive Rock ainda se mantém acesa.
Foi a primeira vez que fui ao Rival, apesar de ter trabalhado o ano passado todo, numa clínica que fica na mesma rua. Gostei muito, o som é ótimo, a banda fica bem perto da platéia, o ar condicionado é bem potente (deu até pra sentir frio). Só não gostei de que ao invés de haver apenas cadeiras, como normalmente acontece em teatros, as pessoas se sentavam em mesas, ficando muitas vezes de lado para o palco, como nos canecões e citibank halls da vida.

O Terço é uma das bandas mais importantes do Rock Brasileiro, criada pelo guitarrista Sergio Hinds no final dos Anos 60, e já contou com inúmeros músicos ao longo dos anos, e na verdade nunca acabou. A formação do show é a mesma de 1975, que lançou os dois discos mais populares e importantes da carreira da banda, "Criaturas da Noite" e "Casa Encantada": que conta além de Hinds, com Flavio Venturini (teclados e voz), Sergio Magrão (baixo e voz), com exceção do baterista Luiz Moreno, que é falecido, e foi substituído pelo excelente Sergio Mello. Ao ver Mello tocar, senti uma forte ligação; o estilo, a pegada forte, as viradas; não sei como explicar, era como se eu estivesse assistindo a mim mesmo tocando bateria. Quero deixar claro, que ele é infinitamente melhor do que eu, muito mais técnico, um verdadeiro monstro nas baquetas e muito superior a mim. Mas via ele tocando e pensava: "Caramba, eu teria feito a mesma coisa, ou ao menos tentaria...". A provável a explicação é que temos as mesmas referências e influências: Neil Peart, Phil Collins, John Bonhan, Carl Palmer, entre outros.

O show começou com Flavio puxando a música errada, ele pára, pede desculpa, e avisa que não era a hora daquela ainda, então, finalmente a banda abre com a inédita "Antes do Sol Chegar". Depois aparecem os velhos clássicos como "Tributo ao Sorriso" e a instrumental "1974", cheia de climas e de mudanças de andamento, viajante como todo Progressivo deve ser.
Os arranjos fazem lembrar de Genesis, Focus e Yes, mas estão longe de serem imitações baratas. O interessante é que tocam de uma forma até simples, o que se destaca é a beleza das melodias e dos timbres escolhidos. Os músicos tocam muito bem, mas a emoção é sempre valorizada, ficando o virtuosismos no peso do baterista, e nos teclados de Venturini.

Com Hinds no violão de 12 cordas, e Flavio no de 6, eles fazem uma espécie de set acústico, tocando a bela "Casa Encantada" e "Queimada" com um forte acento de música caipira.
Os espectadores se entusiasmavam mais durantes as instrumentais, e sempre havia gritinhos e aplausos depois de um belo solo, ou de alguma passagem mais emplogante. Antes de executar "Ponto Final", a dedicam a Moreno, autor da canção.
Sergio Hinds avisa que estavam vendendo o CD e DVD ao vivo (lançados em 2007) na lojinha do Rival. Ele explica que o DVD virou raridade porque a Som Livre retirou do mercado pouco tempo depois de lançar, por problemas de direitos autorais. E realmente, eu não consegui encontrá-lo nas lojas, e antes de ir embora não deixei de comprar o meu. O guitarrista arranca riso de todos, ao falar pro pessoal comprar pra ajudar ao Flavinho que está muito pobre.
A minha favorita é "Criaturas da Noite", sem dúvida. E foi muito bem executada, iniciando com Flávio Venturini sozinho, cantando e tocando seu teclado, e depois os outros integrantes entrando num belo solo de Hinds.
"Hey Amigo" foi tocada no Bis, fazendo a galera pular e bater palma acompanhado o grande Riff de guitarra. Um showzaço pra ficar na memória,e mostrar que o Terço é a mior banda de Rock Progressivo do Brasil, ao lado do Sagrado Coração da Terra

SETLIST:
1-Antes do Sol Chegar
2- P.S. Apareça
3- Tributo ao Sorriso
4- 1974
5- Jogo das Pedras
6- Casa Encantada
7- Queimada
8- Foi Quando Eu Vi Aquela Lua Passar
9- Pássaro
10- Ponto Final
11- Sentinela do Abismo
12- Criaturas da Noite
13- o Vôo da Fênix
14- Suíte
15- Cabala
16- Flor de La Noche
17- Hey Amigo

2 comentários:

  1. Neste Setlist, está faltando minha música preferida "DEUS" e Não sei por que cargas d'agua eles nuncam tocam este sonzão.Prá quem não conhece corre atrás.

    ResponderExcluir
  2. Oi Anônimo,
    realmente "Deus" é um sonzão.
    Obrigado pela visita e pelo comentário. E na próxima, por favor se identifique
    Abração

    ResponderExcluir