Total de visualizações de página

segunda-feira, 17 de maio de 2010

MORRE DIO, UM DOS DEUSES DO METAL

Ronnie James Dio morreu na manhã deste domingo, dia 16 de Maio, aos 67 anos, vítima de câncer no estômago.
A notícia dada pela mulher do músico, Wendy, que postou no site oficial de Dio a frase: "Hoje meu coração está partido, Ronnie morreu às 7h45. Muitos amigos e familiares puderam dizer adeus antes dele morrer tranquilamente. Por favor, nos dêem alguns dias de privacidade para lidarmos com essa terrível perda. Saibam que ele amava vocês e sua música vai viver para sempre"
Sua luta contra o Câncer se tornou pública em Novembro de 2009, onde começou o tratamento ainda no estágio inicial da doença. Ele já vinha diminuindo o ritmo de shows nos últimos meses.
Hoje faz exatamente um ano que vi Dio cantando ao vivo pela última vez, na sua banda Heaven and Hell. Um dos melhores shows de 2010, e pude constatar que o cara ainda cantava muito, sem dúvida uma das mais belas vozes do Rock.
Começou sua carreira nos anos 70, como cantor e baixista da banda Elf, com a qual gravou três álbuns, de 1972 à 1975; quando foi convidado pelo guitarrista Ritchie Blackmore, que acabara de sair do Deep Purple, para cantar em sua nova banda: o Rainbow. Daí em diante, Dio se tornou um verdadeiro "Rock Star", gravando discos antológicos, e entrando de vez para o Hall dos maiores vocalistas do Hard Rock/Heavy Metal. Com o Rainbow gravou 4 LPs, sendo um ao vivo.
Foi convidado pelo guitarrista Tony Iommi para substituir Ozzy Osbourne nos vocais do Black Sabbath, e daí nasceu a minha cisma com o Dio. Infantilmente achava que sendo grande fã do Ozzy não tinha como gostar do Dio - pura bobagem.
Comparações entre os dois são sem sentido e descabidas; são dois grandes vocalistas de Rock Pesado, mas com estilos e formas de cantar totalmente diferentes.
Com o passar dos anos, e principalmente depois de ouvir inteiros pela primeira vez os dois discos inciais de Dio no Sabbath (os excelentes "Heaven and Hell" e Mob Rules") percebi que quanto Dio era bom, e que ele foi responsável por mudar a cara e som da banda. Gravou 3 álbuns, saindo em 1983 pra formar um novo projeto.
Nunca teve intenção de começar um projeto solo e sim apenas formar uma nova banda, juntamente com o baterista ex-Black Sabbath, Vinny Appice. Mas Dio acabou sendo o nome escolhido pro grupo. Foram convidados também o jovem e virtuoso guitarrista Vivivan Campbell(que depois faria parte do Whitesnake e Def Leppard), e o ex companheiro de Rainbow, o baixita Jimmy Bain. Lançaram o grande álbum de estréia "Holy Diver", marco importantíssimo pro heavy metal.
Chegou a voltar pro Black Sabbath em 1992, gravando "Dehumanizer", e tocando pela primeira vez no Brasil, na turnê desse disco.
Voltou para sua carreira solo, até que em 2007 reuniu-se com os antigos companheiros de Black Sabbath, Tony Iommi, Geezer Butler e Vinny Appice, para excursionarem na promoção do álbum "Black Sabbath - The Dio Years". Para promoverem a coletânea os quatro se reuniram sob o nome Heaven and Hell para uma turnê mundial, quando como já mencionei, fui um dos priveligiados presentes no show no dia 17 de Maio de 2009, no Citibank Hall no Rio de Janeiro.
Detalhe interessante é que Ronnie James Dio é o ciador do "Maloik", o famoso "chifrinho" feito com as mãos, que todo fã de Rock já fez pelo menos uma vez, e que virou feber no Brasil a partir do primeiro Rock In Rio. O símbolo era usado por sua avó italiana, e servia para afastar o "mau olhado", e começou a ser usado por Dio em seus shows.
Sem dúvida uma perda irreparável para a música, para o Rock e para o Metal. Já fiz minhas orações por sua alma, e em agradecimento aos seus anos de serviços aos bons sons.
Na capa de seu disco "Sacred Heart" (de 1985) aparecem inscrições em latim que significam: "Vem o fim pela morte, prepararei para você o Sagrado Coração que libertará a mágica e a mudança.". E realmente, a magia de suas canções e interpretações vocais, tornaram Ronnie James Dio eterno.
Teremos seus DVDs pra matarmos a saudade de sua figura marcante e incomum, e seus CDs pra sempre ouvirmos seus agudos potentes.
Se você não conhece a sua obra, recomendo inicialmente:
"Long Live Rock And Roll" com o Rainbow de 1978, e os já citados "Heaven and Hell" de 1980 com o Black Sabbath, e o solo "Holy Diver" de 1983.




2 comentários:

  1. Com certeza Rosiany,
    Dio e sua obra são eternos.
    Obrigado pela visita.
    Beijão

    ResponderExcluir